Menu

Refinaria
Port Arthur Texas

Peças e componentes de um motor térmico

Peças e componentes de um motor térmico

Nesta seção, descrevemos as diferentes partes de um motor térmico. Os motores térmicos têm muitos tipos, no entanto, focaremos no motor diesel e no motor a gasolina ( ciclo Otto).

Apesar de serem motores diferentes, eles compartilham muitas partes em comum; portanto, o esquema apresentado servirá para indicar a nomenclatura de cada elemento.

Os elementos mais importantes dos motores de combustão interna, comuns aos motores diesel e de explosão, são classificados em dois grupos principais:

 Diagrama de um motor térmico

1.- O banco.
2.- O cilindro.
3.- Bandeja, tanque de óleo
4.- O virabrequim.
5.- Biela
6.-
Pino do êmbolo 7.- O pistão.
8.- Anéis de compressão
9.- Cambota
10.- A vela de ignição.
11.- Mola da válvula
12.- Árvore de cames
13.- Balancim 14.-
Válvula de escape
15.- Válvula de sucção
16.- Cabeça da válvula

O cilindro é o recipiente em formato cilíndrico no qual o pistão se move com um movimento retilíneo alternativo. O cilindro faz parte do bloco de cilindros ou monobloco, como era chamado anteriormente. Isso, por sua vez, faz parte do estrado, que podemos considerar como a estrutura fundamental do motor. Em muitos casos, o bloco de cilindros é separado do leito, ao qual está conectado por parafusos.

A parte superior do cilindro é fechada pela cabeça do cilindro.

O volume no cilindro entre a cabeça do cilindro e o pistão representa a câmara de combustão, na qual a mistura de ar e combustível é queimada, ou seja, o fluido ativo.

Quais são os elementos fixos de um motor térmico?

Bloco do motor

O bloco é o elemento que contém os cilindros. Dentro do bloco do motor estão os elementos de acionamento ( pistões, bielas e virabrequim), que servem como suporte ou banco. Geralmente é feito de ferro fundido cinza (liga de ferro com um teor de carbono que varia de 2 a 4,5%) ou liga de alumínio. A forma e as dimensões dependem do número e da disposição dos cilindros.

Do lado de fora do bloco, os demais elementos de construção do motor térmico são fixos: a cabeça do cilindro na parte superior e o cárter na parte inferior. Em uma extremidade estão localizados os elementos de controle da distribuição e os órgãos auxiliares do motor, como o alternador, o compressor do ar condicionado, etc., e na extremidade oposta está a caixa de engrenagens.

No bloco também existem elementos para ancorar o motor ao chassi, suportes que possuem elementos elásticos para absorver as vibrações do motor, impedindo que sejam transmitidos ao corpo.

Cilindros do motor

Os cilindros são a parte mais importante do bloco. Dentro do cilindro, o pistão se move entre as posições extremas (PMS do ponto morto superior e PMI do ponto morto inferior) que ocupa durante seu movimento alternativo.

No caso do motor a gasolina ( ciclo Otto), é necessária a presença da vela de ignição. Nesse caso, a vela será responsável por gerar uma faísca dentro do cilindro para iniciar a ignição do combustível, neste caso, a gasolina.

De acordo com o procedimento usado para obter os cilindros, distinguimos três tipos de bloco:

  • Bloco integral: os cilindros são usinados no material do mesmo bloco.
  • Bloco de revestimento seco: nesse caso, um cilindro ou revestimento de parede fina é montado em cada orifício no bloco. Esses revestimentos são montados sob pressão, em contato com a parede do bloco, para que possam ser refrigerados.
  • Bloco de revestimento úmido: Os revestimentos têm paredes espessas e estão em contato direto com o líquido de arrefecimento, que constitui o verdadeiro cilindro. Eles são facilmente removíveis e estão equipados com juntas de vedação para impedir que o líquido passe para o carteiro.

Cabeça do cilindro do motor

A cabeça do cilindro é fixada por parafusos ou pernos no plano superior do bloco. A cabeça do cilindro serve como uma cobertura estanque para os cilindros, uma vez que abriga toda ou parte da câmara de combustão, exceto no caso em que é formada na cabeça do pistão.

As válvulas são instaladas, entre outros elementos, no motor a 4 tempos, com os mecanismos para acioná-las; elementos de ignição e injeção, coletores de admissão e escape, etc. Na cabeça do cilindro, as câmaras de refrigeração também são usinadas.

As cabeças dos cilindros são geralmente feitas de liga de alumínio, um material com baixo peso específico e boa condutividade térmica, o que permite que o calor seja evacuado rapidamente. As cabeças dos cilindros do motor a 2 tempos (motocicletas de cilindros pequenos) são mais simples, pois não têm distribuição e muitas são refrigeradas a ar.

Para garantir uma vedação perfeita entre a cabeça do cilindro e o bloco de cilindros, e levando em conta que ele deve suportar altas pressões e temperaturas, é feita uma junta, chamada junta da cabeça do cilindro, entre os dois elementos, feita de fibras sintéticas para substituir o amianto. negativo para a saúde.

Cárter

O cárter é o recipiente que contém o óleo de lubrificação do motor térmico. É montado no fundo do bloco por meio de parafusos e com a interposição de uma junta para facilitar a vedação. Normalmente é fabricado em chapa de aço, embora também possa ser fabricado em liga de alumínio, devido à boa condutividade térmica desse metal e à redução no nível de ruído do motor.

Dentro do cárter existem divisórias para interromper o movimento do óleo quando o veículo está em movimento. Na parte inferior, uma tampa de rosca é adicionada para drenar o óleo.

Quais são os elementos móveis de um motor térmico?

Pistão

O pistão é o elemento móvel que se move dentro do cilindro, com um movimento retilíneo alternativo. Esse movimento é dado, no momento da explosão, pela força dos gases e, em outros momentos, pela biela. Consiste em duas partes: a cabeça e a saia. A cabeça recebe a pressão causada pela explosão e trabalha a temperaturas muito altas (de 300 ºC a 400 ºC). Possui ranhuras onde estão alojados os segmentos que garantem a vedação. Normalmente é feito de alumínio com ligas de cobre, silício e níquel para endurecê-lo.

O pistão é fixado à biela através do parafuso, permitindo um movimento oscilante entre os dois elementos. O parafuso é feito de aço cimentado, um material de grande dureza e tenacidade, e na forma de um cilindro oco para aliviar seu peso e, portanto, reduzir a inércia.

Segmentos

São anéis elásticos, localizados em um número variável nas ranhuras feitas na cabeça do pistão.

Eles cumprem as seguintes funções:

  • Garanta a estanqueidade e lubrificação do cilindro.
  • Evacuar o calor para o cilindro.
  • Evite que o óleo passe para a câmara de combustão.

Existem dois tipos: compressão e ontaje.

Segmentos de compressão: Geralmente dois são montados, o fogo e o vedante:

  • Segmento de incêndio: é montado na parte mais alta da cabeça do pistão e está sujeito a condições de trabalho muito severas devido às pressões e altas temperaturas às quais está exposto. Para aumentar sua resistência, geralmente é revestido com cromo.
  • Segmento estanque: está localizado após o segmento de incêndio e geralmente é cônico. O maior segmento está abaixo. É submetido a condições menos severas que o segmento de incêndio.

Segmento de pomada: Ele está localizado após o segmento de vedação e possui na periferia uma série de

Slots que permitem que o óleo depositado nas paredes do cilindro seja coletado durante o deslocamento

Do pistão e enviá-lo para o pistão para lubrificar o parafuso.

branco

A biela transmite ao virabrequim a força com que a explosão de gases empurra o pistão. Ao mesmo tempo, faz parte do conjunto que transforma o movimento linear alternativo em rotativo. Geralmente é feito de liga de aço carbono com cromo, manganês ou molibdênio.

É composto por três partes: cabeça, corpo e pé. A cabeça é a parte que é fixada ao virabrequim, através da interposição dos semi-rolamentos da biela, também denominada antifricção. O corpo tem um perfil T ou H duplo; e é submetido a grandes tensões de tração, compressão e flexão, e a parte superior, chamada de pé da biela, constitui a união com o pistão através do parafuso e com a interposição de um mancal de bronze.

Virabrequim

O eixo de manivela coleta as forças originadas durante a explosão e converte, através da biela, o movimento linear alternativo do pistão em um movimento rotativo. Ele transmite o movimento e a força motriz para os elementos de transmissão que estão acoplados a ele. É submetido a tensões de torção e flexão e possui uma estrutura forte e muito resistente. Os virabrequins, que podem ser obtidos através de processos de fundição ou forjamento, são feitos de aço com ligas de Cr, Ni, Mo, etc.

O virabrequim consiste em suportes, geralmente cinco para um motor de quatro cilindros em linha, que são acoplados ao leito do bloco. Também possui cotovelos chamados munhões, onde as bielas são presas. Na extensão de cada cotovelo estão os contrapesos, que servem para equilibrar a cambota. Em uma extremidade do eixo de manivela, o pinhão de sincronização é montado e, na outra, o volante do motor.

Volante de inércia

o volante tem a função de armazenar energia cinética para suavizar e regularizar a rotação do motor térmico. Essa energia a acumula no tempo de condução (explosão) e a transfere durante os tempos passivos ou resistentes (entrada, compressão e exaustão).

O volante é feito de ferro fundido cinza e, na porta periférica, montada sob pressão, uma coroa dentada de aço estampado e cimentado, onde é acoplado o motor de partida elétrico do veículo. Seu peso e dimensões são perfeitamente calculados para cada tipo de motor.

Autor:

Data de publicação: 23 de novembro de 2016
Última revisão: 24 de março de 2020